Pornografia Virtual

O vício em pornografia é identificado quando o consumo excessivo de material erótico passa a interferir na vida cotidiana.
Alguns profissionais da área já comparam o uso da pornografia virtual com a mesma gravidade do uso de drogas que causam dependência química. A razão disso é o isolamento, perda das relações afetivas e sociais, a interferencia nas relações familiares e profissionais e no fato de que cada vez mais o compulsivo fica incapaz para o campo profissional.
Isso acaba se tornando uma verdadeira tragédia. Atinge diretamente as famílias. A internet facilita isso, de forma gratuita e comoda. E outras épocas o compulsivo tinha que procurar movimento  em direção a bancas de jornais para adquirir revistinhas suecas de pornografia. Hoje isso não é necessário. Em casa, no trabalho, em lugares públicos, isso em qualquer momento do dia ou da noite, a mente pode viajar, acessando a internet,  em idéias sugestivas de sexo com mulheres perfeitas e de forma extasiante.
Uma coisa leva a outra. Difícil é ficar com as duas mãos no teclado.
O compulsivo  tem a necessidade de se masturbar e faz isso várias vezes ao dia.
A diversão começa a virar problema porque se torna um hábito solitário e dificilmente é tratado com doença, que é.
O compulsivo tem cada vez mais necessidade de se satisfazer sexualmente com esse vicio, e em seguida é tomado pela culpa e muitas vezes remorso por faze-lo. Mas não há como controlar, não consegue.
E começa a perder tudo. A esposa, que não é mais procurada, o trabalho que não mais é interessante, os amigos, a família.
Como citei no começo, uma verdadeira tragédia.
Sem controle, o compulsivo esconde seus hábitos da sua família, não trabalha, não estuda, não faz algo produtivo, mesmo no trabalho acessa os tais sites pornograficos.
Com o tempo, chega a impotência sexual. Não consegue mais ter uma relação sexual de verdade.
Perdem totalmente a noção de realidade. Aquelas mulheres lindíssimas e perfeitas, tipo Barbie, ou aqueles homens e suas performances espetaculares com um a ou mais mulheres através de membros avantajados, passam a ser sua realidade.  E isso os leva a se isolarem cada vez mais.
O fim do poço é quando gastam seu rico dinheirinho pagando para participar de sites de pornonografia.
Tratamento?
Um bom psiquiatra pode entrar com medicamentos que inibam a libido, mas é imprescindivel que façam uma terapia assídua, pelo menos 3 vezes por semana de forma intensiva.
Não se esqueçam que todo compulsivo é um viciado e deve ser encarado assim, já sofre por si só e não precisa que lhe apontem o dedo acusatoriamente.

Vagner Crepaldi

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s